« Home | A volta da que não foi » | Ser Moribundo e outras histórias » | Autobiografia e algumas apostas confirmadas » | Mick Jagger, o conservador » | Fogo no mundo » | Mais sobre o mesmo e saudades do aipim » | Camaradas unidos jamais serão vencidos? » | Rumo à fazenda » | Ainda e sempre Jane Austen » | A revelação do Globo de Ouro »

Causas e inconseqüências


O comandante supremo da nação encomendou ao Roberto Carlos, não o dos Detalhes, mas o lateral que usa apartamentos nos dedos, como o próprio faz questão de divulgar, a Copa do Mundo desse ano. Tudo que o Molusco desdedado quer, eu não quero. Não é nem tanto por teimosia, é questão de convicção mesmo. Ou, de estabelecer relações de causa e conseqüência, o que não é algo muito corriqueiro: domingo passado, estava eu curtindo as cinzas do meu aniversário quando ouço discurso vigoroso anti-PesTe e anti-Piçol. Curiosa, ligo minhas antenas para acompanhar o fio da meada. Será que estava testemunhando o desabafo de final de noite de um neocon? Não, claro que não, toda a virulência inicial foi por água abaixo após a conclusão de que só o PSTU é a solução para o país. Sem contar as opiniões desferidas em outros lugares de que o Brasil tem que voltar da Europa campeão “para acabar com essa onda de violência”. Eu juro que ouvi isso. Sendo assim, não quero nem pensar no que o PCC possa vir a aprontar, caso os canarinhos sejam derrotados pela Argentina, mas enfim... Bom, mesmo se nosso Al Capone, chefe da máfia e escorregadio feito pau de sebo - já entrando no clima de São João, precisamente de quadrilha -, não planejasse usar um eventual triunfo esportivo como estratégia de campanha à reeleição, eu também não torceria pela pátria de chuteiras, pois jamais torci, até porque “érres” rebolativos não fazem parte do que considero bom futebol.
********************************************************************
E não é que meu carinhosamente chamado de blogzinho soprou velinhas ontem, ao completar um ano de existência? É, de lá para cá, foram 85 postagens, algumas que até valem releituras, outras que só minha irreverência evita que sejam apagadas do arquivo, mas que percorrem um ano de impressões, divagações e opiniões. Se a intenção inicial era fazer desse espaço um depósito de idéias mal traçadas, hoje já não consigo imaginá-lo desativado, por mais que eu me dê longas férias de vez em quando. Bom sinal.

noite_interminavel
Nós nos transformamos naquilo que praticamos com freqüência. A perfeição, portanto, não é um ato isolado, é um hábito. (Aristóteles)


Na medida em que você se desliga do espírito daquela era, está ligado ao espírito de todas as eras. Isto quer dizer que, de fato, na constituição do próprio indivíduo, já está dada toda a dialética entre o mundo do sensível ou da temporalidade e o mundo da eternidade. (Olavo de Carvalho)


Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo. (Hermann Hesse)


Quanto menos um sujeito entende a religião, mais se prontifica a modificá-la, isto é, a reduzi-la às dimensões da sua própria falta de consciência. Uma concepção evolutiva da religião mostra apenas incapacidade de conceber alguma coisa acima da esfera temporal. O "senso da eternidade" é apenas o primeiro grau da consciência religiosa. (Olavo de Carvalho)


Quando os homens já não acreditam em Deus, não é que não acreditem em mais nada: acreditam em tudo. (G. K. Chesterton)


Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada. (Edmund Burke)


Experiência não é o que acontece com o homem; é o que o homem faz com o que lhe acontece. (Aldous Huxley)


Pode-se enganar todo mundo durante algum tempo, e certas pessoas durante todo o tempo, mas não se pode enganar todo o mundo todo o tempo. (Abraham Lincoln)


Faça aparecer o que sem você não seria talvez jamais visto. (Robert Bresson)


Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola. (Albert Einstein)


Todos estamos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas. (Oscar Wilde)


Qualquer pessoa que não seja inteiramente imbecil ou imbecilizada pelo jogo literário de entes de razão sabe que existe, no mundo inteiro, uma guerra revolucionária com o objetivo de massificar o homem e de apagar nas almas os últimos lampejos das saudades de Deus. Os marxistas desempenham papel de desta­que, e os judeus marxistas ou filocomunistas trazem para esta causa todo o furor que lhes vem da antiga grandeza. (Gustavo Corção)