« Home | Carpeaux » | Uma despedida » | Adeus a Julián Marías » | Durou pouco » | Pausa e planos » | A TODOS OS QUE COMPREENDEM O VALOR DA VIDA HUMANA ... » | Projetos TAMAR e MATAR » | Com a palavra, o Papa » | Capitalistas passarão, comunistas passarinho » | Mais sobre o futuro de Dirceu (e do país) »

Evolução e evolucionismo


Entrevista com o professor Rafael Pascual, L.C. ROMA, 7 de dezembro de 2005 (ZENIT.org). “Evolução e criação podem ser compatíveis”, reconhece o filósofo e teólogo Rafael Pascual, L.C, até o ponto de que fala de criação evolutiva, declarando que a “Bíblia não tem uma finalidade científica”.

O debate sobre evolução e fé é candente no cenário mundial. Voltou a ser suscitado pelo arcebispo de Viena, o cardeal Cristoph Schonborn, com um artigo publicado pelo New York Times, em 7 de julho de 2005, onde afirmava que é Deus, através de um “desígnio inteligente, o verdadeiro artífice da evolução”.

”As teorias científicas que tentam justificar a aparição do desígnio como resultado do caos e da necessidade não são verdadeiramente científicas”, acrescentava o purpurado austríaco.

Para compreender melhor esta apaixonante questão, Zenit entrevistou o professor Pascual, diretor do Mestrado em Ciência e Fé do Ateneu Pontifício Regina Apostolorum de Roma, que na Itália acaba de publicar o livro “Evolução: cruz de caminhos entre ciência, filosofia e teologia” (“L’Evoluzione: crocevia di scienza, filosofia e teologia”, Editora Studium).

- Evolução, sim; evolucionismo, não?
- Padre Pascual: a evolução, entendida como teoria científica, fundada em dados empíricos, parece muito bem afirmada, ainda que não é totalmente verdade que já não tenha nada a acrescentar ou completar, sobretudo com respeito aos mecanismos que a regulam. Ao contrário, não me parece admissível o evolucionismo como ideologia que nega o finalismo, e sustenta que tudo se deve à casualidade e à necessidade, como afirma Jacques Monod em seu livro “Casualidade e necessidade”, propondo o materialismo ateu. Este evolucionismo não é sustentável, nem como verdade científica, nem como conseqüência necessária da teoria científica da evolução, como alguns sustentam.

- Criação sim; criacionismo, não?
- A criação é uma verdade compreensível para a razão, em especial para a filosofia, mas também é uma verdade revelada. Por outro lado, o chamado criacionismo é também, como o evolucionismo, uma ideologia fundada em muitas ocasiões em uma teologia errônea, ou seja, em uma interpretação literal de algumas passagens da Bíblia, a qual, segundo seus autores, com respeito à origem das espécies sustentaria a criação imediata de cada espécie por parte de Deus, e a imutabilidade de cada espécie com o passar do tempo.

- Evolução e criação são compatíveis?
- Evolução e criação em si podem ser compatíveis; pode-se falar, sem cair em uma contradição, de uma “criação evolutiva”, enquanto que evolucionismo e criacionismo são necessariamente incompatíveis. Por outra parte, seguramente houve um desígnio inteligente, mas, em minha opinião, não se trata de uma teoria científica alternativa à teoria da evolução. Ao mesmo tempo, há que assinalar que o evolucionismo, entendido como ideologia materialista e atéia, não é científico.

- O que diz o Magistério da Igreja a respeito?
- O Magistério da Igreja, em si, não se opõe à evolução como teoria científica. Por uma parte, deixa e pede aos cientistas que façam investigações no que constitui seu âmbito específico. Mas, por outra, ante as ideologias que estão detrás de algumas versões do evolucionismo, deixa claros alguns pontos fundamentais que devem ser respeitados:
- não se pode excluir, a priori, a causalidade divina. A ciência não pode nem afirmá-la, nem negá-la;
- o ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus. Deste fato deriva sua dignidade e seu destino eterno;
- há uma descontinuidade entre o ser humano e outros seres vivos, em virtude de sua alma espiritual, que não pode ser gerada por simples reprodução natural, mas que é criada imediatamente por Deus.

- Quais são as verdades fundamentais sobre a origem do mundo e o ser humano que a Igreja indica como pontos básicos?
- Está claro que o Magistério não entra em questões propriamente científicas, que deixa à pesquisa dos especialistas, mas sente o dever de intervir para explicar as conseqüências de tipo ético e religioso que tais questões comportam.

O primeiro princípio que se sublinha é que a verdade não pode contradizer a verdade, ou seja, não pode haver um verdadeiro contraste ou conflito entre uma verdade de fé (ou revelada), e uma verdade de razão (ou seja, natural), porque as duas têm como origem a Deus. Em segundo lugar, sublinha-se que a Bíblia não tem uma finalidade científica, mas sim religiosa, pelo que não seria correto tirar conseqüências que possam implicar a ciência, nem a respeito da doutrina da origem do universo, nem enquanto a origem biológica do homem. Há que fazer, portanto, uma correta exegese dos textos bíblicos, como indica claramente a Pontifícia Comissão Bíblica em “A interpretação da Bíblia na Igreja” (1993). Em terceiro lugar, para a Igreja não há, em princípio, incompatibilidade entre a verdade da criação e a teoria científica da evolução. Deus poderia ter criado um mundo em evolução, o que em si não tira a causalidade divina, ao contrário pode enfocá-la melhor quanto a sua riqueza e virtualidade. Em quarto lugar, sobre a questão da origem do ser humano, poder-se-ia admitir um processo evolutivo com respeito a sua corporeidade, mas, no caso da alma, pelo fato de ser espiritual, requer-se uma ação criadora direta por parte de Deus, já que o que é espiritual não pode ser originado por algo que não é espiritual. Entre matéria e espírito, há descontinuidade. O espírito não pode fluir ou emergir da matéria, como afirmou algum pensador. Portanto, no homem, há descontinuidade com respeito aos outros seres vivos, um “salto ontológico”. Por último, e aqui nos encontramos ante o ponto central: o fato de ser criado e querido imediatamente por Deus é o único que pode justificar, em última instância, a dignidade do ser humano. Com efeito, o homem não é o resultado da simples casualidade ou de uma fatalidade cega, mas é o fruto de um desígnio divino. O ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus, mais ainda, está chamado a uma relação de comunhão com Deus. Seu destino é eterno, e por isso não está simplesmente sujeito às leis deste mundo que passa. O ser humano é a única criatura que Deus quis para si mesmo, é fim em si, e não pode ser tratado como meio para alcançar nenhum outro fim, ou muito nobre que possa ser ou parecer.

- É necessário, portanto, uma antropologia adequada que tenha em conta tudo isto e que dê razão do ser humano em sua integridade.
- Sobre o tipo de relação que a Igreja promove com o mundo da ciência, João Paulo II disse: “A colaboração entre religião e ciência converte-se em ganância uma para a outra, sem violar de nenhum modo as respectivas autonomias”.

- Qual é o pensamento de Bento XVI sobre criação e evolução?
- É evidente que não nos encontramos ante uma alternativa tal como “criação ou evolução”, mas ante uma articulação. Em uma série de homilias sobre os primeiros capítulos do Gênesis, o então arcebispo de Munique, o cardeal Joseph Ratzinger, escreveu em 1981: “A fórmula exata é criação e evolução, porque as duas coisas respondem a duas questões diversas. O relato do pó da terra e do alento de Deus não nos narra em efeito como se originou o homem. Diz-nos o que é o homem. Fala-nos de sua origem mais íntima, ilustra o projeto que está detrás dele. Vice-versa, a teoria da evolução tenta definir e descrever processos biológicos. Não consegue ao contrário explicar a origem do “projeto” homem, explicar sua proveniência interior e sua essência. Encontramo-nos portanto ante duas questões que se complementam, não se excluem”.

Ratzinger fala do caráter racional da fé na criação, que continua sendo, ainda hoje, a melhor e mais plausível das hipóteses.

Com efeito, continua dizendo o texto e Ratzinger, “mediante a razão da criação, Deus mesmo nos olha. A física, a biologia, as ciências naturais em geral nos proporcionaram um relato novo da criação, inaudito, com imagens grandiosas e novas, que nos permite reconhecer o rosto do Criador e nos faze saber de novo: sim, no princípio e no fundo de todo o ser está o Espírito Criador. O mundo não é o produto da escuridão e do absurdo. Provém de uma inteligência, de uma liberdade, de uma beleza que é amor. Reconhecer isto nos infunde o valor que nos permite viver, que nos faz capazes de enfrentar confiantes a aventura da vida”.

É significativo que, em sua homilia de início de seu ministério petrino, o papa Bento XVI tenha dito: “Não somos o produto casual e sem sentido da evolução. Cada um de nós é o fruto de um pensamento de Deus. Cada um de nós é querido, cada um é amado, cada um é necessário”.

noite_interminavel
Nós nos transformamos naquilo que praticamos com freqüência. A perfeição, portanto, não é um ato isolado, é um hábito. (Aristóteles)


Na medida em que você se desliga do espírito daquela era, está ligado ao espírito de todas as eras. Isto quer dizer que, de fato, na constituição do próprio indivíduo, já está dada toda a dialética entre o mundo do sensível ou da temporalidade e o mundo da eternidade. (Olavo de Carvalho)


Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo. (Hermann Hesse)


Quanto menos um sujeito entende a religião, mais se prontifica a modificá-la, isto é, a reduzi-la às dimensões da sua própria falta de consciência. Uma concepção evolutiva da religião mostra apenas incapacidade de conceber alguma coisa acima da esfera temporal. O "senso da eternidade" é apenas o primeiro grau da consciência religiosa. (Olavo de Carvalho)


Quando os homens já não acreditam em Deus, não é que não acreditem em mais nada: acreditam em tudo. (G. K. Chesterton)


Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada. (Edmund Burke)


Experiência não é o que acontece com o homem; é o que o homem faz com o que lhe acontece. (Aldous Huxley)


Pode-se enganar todo mundo durante algum tempo, e certas pessoas durante todo o tempo, mas não se pode enganar todo o mundo todo o tempo. (Abraham Lincoln)


Faça aparecer o que sem você não seria talvez jamais visto. (Robert Bresson)


Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola. (Albert Einstein)


Todos estamos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas. (Oscar Wilde)


Qualquer pessoa que não seja inteiramente imbecil ou imbecilizada pelo jogo literário de entes de razão sabe que existe, no mundo inteiro, uma guerra revolucionária com o objetivo de massificar o homem e de apagar nas almas os últimos lampejos das saudades de Deus. Os marxistas desempenham papel de desta­que, e os judeus marxistas ou filocomunistas trazem para esta causa todo o furor que lhes vem da antiga grandeza. (Gustavo Corção)