« Home | Durou pouco » | Pausa e planos » | A TODOS OS QUE COMPREENDEM O VALOR DA VIDA HUMANA ... » | Projetos TAMAR e MATAR » | Com a palavra, o Papa » | Capitalistas passarão, comunistas passarinho » | Mais sobre o futuro de Dirceu (e do país) » | Momento "antes tarde do que nunca" » | A nova secretária de segurança e algumas bengalada... » | Pioneirismo e arrependimento »

Adeus a Julián Marías


Morreu hoje um dos maiores pensadores do século XX, o filósofo espanhol Julián Marías, ainda pouco estudado no Brasil (obviamente). Artigos e informações dele podem ser encontrados nesse site e aqui também.

Marías era respeitado pelos grandes filósofos espanhóis: como se não bastasse ter sido discípulo de Ortega y Gasset, para sua História da Filosofia já citada nesse blog, o prólogo à primeira edição foi de ninguém menos do que Xavier Zubiri.

"Julián Marías, o notável filósofo espanhol, nasceu em Valladolid em 1914, tendo alcançado, em plena juventude, um lugar de destaque entre as novas gerações da Espanha e da América, atentas aos problemas da cultura, em particular aos que se referem à Filosofia, disciplina vocacional na vida e obra de Marías. Dominando os idiomas vivos de maior vigência atual e sendo um profundo conhecedor de línguas mortas, Marías, que percorreu em viagem triunfal de intercâmbio espiritual vários países da América do Sul, depois de ter ensinado numa universidade norte-americana, é um escritor de prosa concisa e clara, terminante, e ao mesmo tempo transido de tremor intelectual, no dizer e no interpretar."

(texto da capa do História da Filosofia)

noite_interminavel
Nós nos transformamos naquilo que praticamos com freqüência. A perfeição, portanto, não é um ato isolado, é um hábito. (Aristóteles)


Na medida em que você se desliga do espírito daquela era, está ligado ao espírito de todas as eras. Isto quer dizer que, de fato, na constituição do próprio indivíduo, já está dada toda a dialética entre o mundo do sensível ou da temporalidade e o mundo da eternidade. (Olavo de Carvalho)


Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo. (Hermann Hesse)


Quanto menos um sujeito entende a religião, mais se prontifica a modificá-la, isto é, a reduzi-la às dimensões da sua própria falta de consciência. Uma concepção evolutiva da religião mostra apenas incapacidade de conceber alguma coisa acima da esfera temporal. O "senso da eternidade" é apenas o primeiro grau da consciência religiosa. (Olavo de Carvalho)


Quando os homens já não acreditam em Deus, não é que não acreditem em mais nada: acreditam em tudo. (G. K. Chesterton)


Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada. (Edmund Burke)


Experiência não é o que acontece com o homem; é o que o homem faz com o que lhe acontece. (Aldous Huxley)


Pode-se enganar todo mundo durante algum tempo, e certas pessoas durante todo o tempo, mas não se pode enganar todo o mundo todo o tempo. (Abraham Lincoln)


Faça aparecer o que sem você não seria talvez jamais visto. (Robert Bresson)


Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola. (Albert Einstein)


Todos estamos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas. (Oscar Wilde)


Qualquer pessoa que não seja inteiramente imbecil ou imbecilizada pelo jogo literário de entes de razão sabe que existe, no mundo inteiro, uma guerra revolucionária com o objetivo de massificar o homem e de apagar nas almas os últimos lampejos das saudades de Deus. Os marxistas desempenham papel de desta­que, e os judeus marxistas ou filocomunistas trazem para esta causa todo o furor que lhes vem da antiga grandeza. (Gustavo Corção)