« Home | Aviso aos navegantes » | Propagandas enganosas » | Para refletir » | Atentado à liberdade de expressão » | Mudei de idéia » | A elite, o povo e os inocentes criminosos » | Notas » | Em revista » | Indispensável » | O cartão de visitas »

Definitivamente, não sou da paz


Passada mais uma invasão feita pelo MST em terras gaúchas, dessa vez vandalizando uma empresa de laticínios em Esteio e, novamente, batendo em retirada e deixando a rota de destruição para trás, sem satisfações (quem responderá por esses atos de guerrilha e pelos prejuízos?); passado o pó levantado pelo trem da alegria de nossos hermanos, que trazia Dieguito, o garoto-propaganda da coca libre - em detrimento de uma Cuba libre -, eufórico após injeção de supostos US$ 100.000 em seu bolso (quiçá mais), finalmente vou repercutir o resultado do referendo do dia 23, agora que o assunto já foi devidamente esfriado, porque a derrota governista e global (em ambos os sentidos) foi humilhante. Senão, muito provavelmente estaríamos sendo brindados com um amontoado de discursos descerebrados celebrando nossa meiguice.

Uma semana antes da votação, foi realizado chat com Mariana Montoro Jens, gerente da área de Comunicação e Mobilização Social do Instituto Sou da Paz. Já não tinha muitas dúvidas que essa gente não é em nada “da paz”. Encerraram, também, meus questionamentos sobre a existência de atividade mental saudável nela e em sua trupe: ou são por demais idiotas, a ponto de acreditar no desarmamento, sinônimo de deixar-nos feito ovelhas à espera de sermos tosquiados, ou são extremamente maquiavélicos e arquitetam tudo passo a passo, sem acidente, para aumentar nossa insegurança, para fazer-nos confiar (ainda mais, para uns) desesperadamente no Big Brother estatal e deixar-nos à mercê dos (des)mandos da petezada ou do que está por vir a partir do próximo ano, que não possui aspectos muito promissores. Eu fico com ambas as opções e justifico-me com trechos específicos da conversa entre a moça “da paz”, mas carente de escrúpulos e neurônios, e internautas (foi preservada a escrita original de cada excerto):

MARIANA 18:15:29 Marcela, essa questão do direito é a maior palhaçada que o NÃO criou para enganar as pessoas de bem. Que direito é esse se uma arma custa mais de 3.000 reais??? Ter uma arma de fato é direito de RICO no Brasil. Mais uma vez os pobres estão sendo enganados e os ricos continuaram comprando suas armas que acabam indo para lá na periferia fazendo a vida do cidadão honesto que mora lá um verdadeiro inferno! Pobre é que morre e é o pobre que mais apoio o SIM.

Logo em seguida, Mariana se embanana e afirma:

MARIANA 18:18:52 Pistoleiro, vender armas legalmente NUNCA evitou contrabando nenhum, tanto que até hoje vendemos armas legalmente no Brasil e o contrabando existe. o que vai acontecer de verdade é que as armas na criminalidade vão ficar mais escassas e por isso mais caras! o que é muito bom!!! hoje um dos problemas das armas é justamente o fato de ser MUITO barato, muito acessivel, em grande quantidade para todo mundo... Restringir o numero de novas armas no mercado vai dificultar para todo mundo!

Ué, mas armas são caras ou baratas demais? Realmente, a moça é recordista: em três minutos, ela conseguiu desdizer tudo o que havia afirmado anteriormente, com ares de sapiência e orgulho pela nobre causa defendida.

MARIANA 18:42:45 Pense bem. Use a sua lógica. As armas de fogo não são produzidas no quintal de uma chácara. 99% das armas que circulam no país e no mundo foram PRODUZIDAS e VENDIDAS LEGALMENTE para depois cair na ilegalidade.

MARIANA 18:49:18 Diana querida, vamos ver se vc entende: os bandidos nao compram armas em lojas justamente pq VC compra e ele roba da sua casa - o que é bem mais fácil do que ir até o paragai. NAO É A TOA QUE DE TODAS AS ARMAS NAS MAOS DOS BANDIDOS MENOS DE 30% SÃO CONTRABANDEADAS

Houve uma evolução, e ela não quebrou o próprio recorde: demorou longos sete minutos para armar (sem trocadilho) nova confusão. Afinal, 99% são legais ou menos de 30% são contrabandeadas? Ela é quem não faz bom uso da lógica...

Para encerrar a dose de calculismo, o apelo ao final:

Pessoal, nao confundam as bandeiras: lutar pelo desarmamento é lutar por um pais mais justo onde a segurança é para todos e nao só para a elite deste país. Nao percam essa oportunidade de fazer história! Aliás, de fazer uma NOVA história VOTE2

Segurança para todos... desarmados? E olha a onipresente palavrinha mágica “elite” ali, gente. Uma elite não seria formada, isso sim, caso o desarmamento fosse ainda mais legitimado (não esqueçamos que vencemos uma batalha, mas a guerra pela liberdade de zelar pela própria vida, a dos familiares e pelos seus pertences está quase perdida), já que a lei n 10826/03 havia estabelecido condições rígidas para o registro de armas de fogo: além de declarar a necessidade de ter uma – de calibre pequeno -, o interessado precisa comprovar que tem ocupação lícita, residência fixa, capacidade técnica e psicológica. Como se não bastasse, deve-se ter mais de 25 anos. Ou seja, é mesmo como comprar armas no supermercado, como davam a impressão as pombinhas falantes.

Por falar nelas, meu longo silêncio, motivado principalmente por problemas de saúde, pode ter sido por praga de Marieta, a ex-senhora Buarque, quando declarou “benditas sejam todas as mulheres que votarem SIM no referendo”. Praga das brabas.

noite_interminavel
Nós nos transformamos naquilo que praticamos com freqüência. A perfeição, portanto, não é um ato isolado, é um hábito. (Aristóteles)


Na medida em que você se desliga do espírito daquela era, está ligado ao espírito de todas as eras. Isto quer dizer que, de fato, na constituição do próprio indivíduo, já está dada toda a dialética entre o mundo do sensível ou da temporalidade e o mundo da eternidade. (Olavo de Carvalho)


Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo. (Hermann Hesse)


Quanto menos um sujeito entende a religião, mais se prontifica a modificá-la, isto é, a reduzi-la às dimensões da sua própria falta de consciência. Uma concepção evolutiva da religião mostra apenas incapacidade de conceber alguma coisa acima da esfera temporal. O "senso da eternidade" é apenas o primeiro grau da consciência religiosa. (Olavo de Carvalho)


Quando os homens já não acreditam em Deus, não é que não acreditem em mais nada: acreditam em tudo. (G. K. Chesterton)


Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada. (Edmund Burke)


Experiência não é o que acontece com o homem; é o que o homem faz com o que lhe acontece. (Aldous Huxley)


Pode-se enganar todo mundo durante algum tempo, e certas pessoas durante todo o tempo, mas não se pode enganar todo o mundo todo o tempo. (Abraham Lincoln)


Faça aparecer o que sem você não seria talvez jamais visto. (Robert Bresson)


Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola. (Albert Einstein)


Todos estamos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas. (Oscar Wilde)


Qualquer pessoa que não seja inteiramente imbecil ou imbecilizada pelo jogo literário de entes de razão sabe que existe, no mundo inteiro, uma guerra revolucionária com o objetivo de massificar o homem e de apagar nas almas os últimos lampejos das saudades de Deus. Os marxistas desempenham papel de desta­que, e os judeus marxistas ou filocomunistas trazem para esta causa todo o furor que lhes vem da antiga grandeza. (Gustavo Corção)